sábado, 17 de fevereiro de 2018

"AS MINHAS ASAS BRANCAS" - de Almeida Garret





Almeida Garret




Era menina. Naquela fase da vida em que tudo esperam de nós. É a Natação, o Judo, a Equitação e até mesmo que saibamos declamar Poesia. Este foi um dos poemas que aprendi. Aos anos que não o relembrava. Hoje, aqui está ele, "As minhas asas brancas", de Almeida Garret. Que saudade, meu Deus, do tempo que já vivi!... Serões em que sem TV ou computadores nos entretínhamos em amena cavaqueira até à hora de deitar. Na varanda da casa, no ameno da noite africana, ouvindo os grilos lá fora, a conversa saía tranquila e a descoberta de autores portugueses ia-se fazendo sem tempo nem pressas... O cheiro da terra misturava-se com o dos cabelos lavados antes do jantar. O tom, as pausas, a inflexão da voz, tudo nos fazia sentir crescer aos olhos atentos dum pai que nos mostrava: a música e ritmo da Poesia; a beleza das palavras e do jogo com elas...





"As Minhas Asas



Eu tinha umas asas brancas,
Asas que um anjo me deu,
Que, em me eu cansando da terra,
Batia-as, voava ao céu.

— Eram brancas, brancas, brancas,
Como as do anjo que mas deu:
Eu inocente como elas,
Por isso voava ao céu.

Veio a cobiça da terra,
Vinha para me tentar;
Por seus montes de tesouros
Minhas asas não quis dar.

— Veio a ambição, co'as grandezas,
Vinham para mas cortar,
Davam-me poder e glória;
Por nenhum preço as quis dar.

Porque as minhas asas brancas,
Asas que um anjo me deu,
Em me eu cansando da terra,
Batia-as, voava ao céu.

Mas uma noite sem lua
Que eu contemplava as estrelas,
E já suspenso da terra,
Ia voar para elas,

— Deixei descair os olhos
Do céu alto e das estrelas...
Vi entre a névoa da terra,
Outra luz mais bela que elas.

E as minhas asas brancas,
Asas que um anjo me deu,
Para a terra me pesavam,
Já não se erguiam ao céu.

Cegou-me essas luz funesta
De enfeitiçados amores...
Fatal amor, negra hora
Foi aquela hora de dores!

— Tudo perdi nessa hora
Que provei nos seus amores
O doce fel do deleite,
O acre prazer das dores.

E as minhas asas brancas,
Asas que um anjo me deu,
Pena a pena me caíram...
Nunca mais voei ao céu.








             (Poema de Almeida Garret, imagem retirada da NET)





sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

ESPERANÇA



"ESPERANÇA"



Há momentos em que parece que tudo se reúne para nos causar embaraço e tristeza... mas, se calhar, é a forma como olhamos os acontecimentos que fazem com que empolemos os aspectos negativos daquilo que nos rodeia. 

O hábito de olhar para as coisas com esperança e de esperar o melhor e não o pior, ajuda-nos a estar de bom humor o que espalha mais felicidade do que todas as riquezas do Mundo, como diz Alfred Montapert. Não temos que estar de bom humor ou sorrir 24 horas por dia, temos o direito de estar tristes e até chorar quando o sentimos, mas manter a tristeza, a raiva e o mau humor não resolverá os nossos problemas.

Quando nos sentimos afundar porque a saúde e o bem estar dos nossos se altera, resta-nos a ESPERANÇA. Esperança de que as coisas melhorem. Esperança que, como disse Santo Agostinho, tem duas filhas: a indignação e a coragem; a indignação que nos ensina a não aceitar as coisas como estão; e a coragem de mudá-las.

Talvez não possamos alterar os factos na totalidade, mas certamente que poderemos encarar com mais coragem o que possa ser feito para melhorar a situação... E é isso que tem que ser feito: procurar resolver o que pode ter solução e aceitar o que não puder ser modificado.



(Imagem retirada da NET)



segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

PAIS - APOIO E RECTAGUARDA...





"Os filhos precisam de ter um pai que os espere quando regressam dos seus fracassos". Diz o Papa Francisco. De facto, não há como ter a aceitação de quem nos quer bem, para enfrentarmos os desafios da vida que nem sempre correm bem, de forma a ganharmos balanço para voltar a ir em frente. Porém, quando essa aceitação é demasiada, se calhar, fica-se sem folego para novos voos. Torna-se mais fácil abrigarmo-nos nos braços que nos acolhem, sem uma verdadeira vontade de vencer. Por isso, muitas vezes fica nos pais a dúvida de como agir em relação aos seus filhos, apesar destes saberem que podem contar sempre com a sua rectaguarda. Nós, pais, estaremos sempre para os receber, mas temos que lhes dar a liberdade de voarem sozinhos apesar das tempestades... apesar de se nos poder apertar o coração... apesar de termos até mesmo que os empurrar do ninho, se preciso for... 




Tal como nas aves, temos que deixá-los voar bem alto ao encontro dos seus pares, para poderem procurar o seu rumo ainda mesmo que longe do seu porto de abrigo que somos nós.



(Imagens retiradas da NET)







ERICEIRA NO INVERNO - PORTUGAL






Domingo de Carnaval. Dia de Inverno e alguma chuva. Aproveitámos uma aberta para visitar o centro da Ericeira. Uma perspectiva diferente da do Verão. Hoje, pouca gente anda nas ruas, o tempo não convida. Mas Ericeira é sempre Ericeira e não deixa de ter o seu encanto. Terra de "surf" e marisco, do azul e branco, debruça-se sobre o mar trazendo-nos a história de outros tempos e um presente de turismo, "surf", pesca e prazer de estar e passear...













Debruçada sobre o mar, traz-nos também o cheiro a maresia; mostra-nos os artefactos da pesca e os barcos que hoje, Domingo, descansam junto à areia da praia... Desta Praia dos Pescadores fugiu a família real para o exílio, aquando da implantação da República a 5 de Outubro de 1910... Um dos momentos mais dramáticos da história desta vila pituresca vivido junto a estas escarpas que, hoje, são passeio de turistas e veraneantes.




Fotos tiradas em 11 de Fevereiro de 2018




quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

OS AMIGOS E AS ESTRELAS





"As verdadeiras amizades são como as estrelas, não as vemos a toda a hora, mas sabemos que elas existem..." Os amigos serão raros, mas, quando os temos, podemo-nos considerar uns privilegiados. O podermos escolher a nossa estrela para alguns deles, torna-nos especialmente felizes. 
 

Hoje, recebi este E-mail de que gostei particularmente:

"Quando um pássaro está vivo, ele come as formigas, mas quando o pássaro morre, são as formigas que o comem. Tempo e circunstâncias podem mudar a qualquer minuto. Por isso, não desvalorize nada à sua volta. Você pode ter poder hoje, mas, lembre-se: O tempo é muito mais poderoso que qualquer um de nós! Saiba que uma árvore faz um milhão de fósforos, mas basta um fósforo para queimar milhões de árvores. Portanto, seja bom! Procure fazer o bem!" 
 
"O tempo é como um rio. Você nunca poderá tocar na mesma água duas vezes, porque a água que já passou, não passará novamente. Por isso, aproveite cada minuto de sua vida e lembre-se:
Nunca busque boas aparências, porque elas mudam com o tempo. Não procure pessoas perfeitas, porque elas não existem. Mas busque acima de tudo, alguém que saiba do seu verdadeiro valor."
 
"Tenha 4 amores:
Deus;  
A vida;
A família;
E os amigos.
Deus porque é o dono da vida;
A vida porque é curta;
A família porque é única;
E os amigos porque são raros!..."


Os amigos serão raros, mas são eles que ajudam a iluminar o nosso céu e a torná-lo mais belo. Podemos escolher a nossa própria estrela  e partilhá-la ao longo da nossa curta vida com quem nos é mais próximo: a família e os amigos. Partilha essa que nos torna mais ricos e nos dá mais uma razão de viver. 



(Imagem retirada da NET)





sábado, 3 de fevereiro de 2018

A "NOSSA SENHORA DA FÉ"




Pintada pela Tia M. do C.


"Está na hora de te devolver a nossa senhora da fé. Acompanhou-me durante estes meses  e nela foi depositada a minha esperança e fé de uma boa recuperação. 
Agradeço-te do fundo do meu coração a partilha de tão preciosa e delicada peça.
Nesta casa foi tratada com a maior das devoções. Tem uma boa energia e agora segue o seu caminho para a casa que "escolheu ficar"."


A
"nossa senhora da Fé", como lhe chamaste, vai voltar de novo. Parece que adivinhaste e que, por alguma razão que não tem explicação, logo hoje, chegou a altura de ela partir. Não sei quem mais ela acompanhará. Mas, neste momento, somos também nós que precisamos do seu "apoio". 


Acredito que, com uma Nossa Senhora pintada por quem teve uma Fé inabalável, possamos conseguir alguma paz e força para enfrentar os problemas. Independentemente da nossa devoção, ter Fé, ainda que não seja em algo de transcendental, pode-nos ajudar na concretização dos nossos legítimos desejos de superação dos espinhos que teimam em nos arranhar as mãos. Por vezes, temos dificuldade em ter devoção a algo que desconhecemos, (será esse o meu caso?!...), mas acreditar na Fé dos outros pode trazer-nos algum consolo.



Será mesmo que "nada acontece por acaso"?!... 





sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

CANCRO DA MAMA - O CRESCIMENTO DO CABELO DEPOIS DA QUIMIOTERAPIA



Sofia Ribeiro

Não sigo a telenovela nem reconhecia a atriz, mas impressionou-me a beleza do seu sorriso que, por acaso, encontrei na NET. Sorriso de satisfação pelo recuperar do cabelo que foi crescendo durante dois anos e, agora, está como podemos ver na fotografia. Isso levou-me a transcrever o texto que a acompanhava. Até que ponto é legítimo fazê-lo, não sei. Mas fica aqui mais um relato que pode servir de incentivo a quem possa passar por um cancro da mama com tratamento de quimioterapia.


"Sofia Ribeiro retirou as extensões de cabelo que tinha colocado há sete meses para dar vida à personagem Soraia Fuentes em “A Herdeira”, da TVI. A atriz não escondeu a emoção e partilhou-a com os fãs.
“Incrível como as coisas mudam. Nunca liguei grande coisa ao cabelo… Se crescia muito, pouco… Hoje, vê-lo crescer nunca significou tanto… Não está enorme? Estou tão vaidosa quanto orgulhosa. Não há como não me emocionar, não há como não sorrir! É a vida a fluir! Obrigada”, escreveu Sofia Ribeiro na legenda da imagem, na qual surge já sem as extensões.
A atriz não podia estar mais feliz com a conquista, escrevendo na página de Instagram as seguintes mensagens: “Está lindo”; “Estou muito feliz”.
De recordar que a atriz rapou o seu cabelo no início de 2016 para evitar a queda do mesmo, na sequência dos tratamentos para o cancro da mama que lhe foi diagnosticado."



(Texto e imagem retirados da NET)





segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

JOÃO CAPELO GAIVOTA - PORQUE QUERO SONHAR?






Esta é uma das mais belas fotografias que já me foi dada observar.


Porquê?!...

É símbolo de liberdade;

De movimento;

É a beleza das duas cores que marcam o planeta em que vivemos,

__ os azuis que vemos do Espaço

e os brancos que aconchegam mares, céus e oceanos;

É a firmeza das estacas que marcam a presença do Homem;

É o ondulado da água e dos seus reflexos que nos embalam os sentidos.


Tudo nela encanta... Tudo nela tem vida... Tudo nela tem brilho...


Faz-me lembrar o "João Capelo Gaivota".

Filme que vi por três vezes.

Os protagonistas? __ Gaivotas.

E a ele, João, podíamos "reconhecê-lo pelas asas de um sonho".

Música também ela de sonho na voz de Neil Diamond.

Uma mensagem para a vida.


"O sonho é uma constante da vida", diz o poeta.

E, enquanto sonharmos, vivemos!...

Vê-las voar sobre as ondas, vir, ir, divagar...

ao sentir o ribombar das ondas ou o seu marulhar meigo e suave; 

Vê-las capturar o peixe que passa,

Disputar os restos que ficam largados sobre a areia da praia,

Conseguir o que cai de traineira que passe.


E gritar bem alto:

__Somos livres, somos livres de voar,

Somos livres de lutar,

De conquistar o nosso alimento,

O nosso espaço...


__Somos livres de gritar...

De gritar a liberdade de viver mais um dia.

De gritar a liberdade de voar, voar, voar...

E, lá bem alto, sonhar, ainda que seja só por HOJE.




Hoje, que há coisas que parecem querer desmoronar-se em torno de nós, senti a necessidade de "postar" estas palavras:

__ Quero voar, sonhar e pensar que tudo vai voltar a normalizar!... Por isso, não quero voar sozinha, quero levar comigo esse sonho de ventura, de aceitação e ternura a quem mais quero na  partilha do mesmo céu, da mesma praia e do mesmo mar que são nossos. Quero que, do meio da agitação e desgaste, surja uma nova ordem de calma e alegria. Voltar a porto seguro, apesar da tempestade. Voltar a sonhar... voar, voar, voar, volitar e gritar bem alto: __ "por aqui é o caminho que não quero fazer sozinha mas em alegre companhia." Gritos de compreensão e satisfação na esperança de retorno a uma vida partilhada numa agitação tranquila.